Vivifica-nos na oração. Mt.6.5-15


orando“Quando você orar, vá para seu quarto, feche a porta e ore a seu Pai, que está no secreto. Então seu Pai, que vê no secreto, o recompensará.” Mt.6.6

É certo que não existe avivamento sem oração. Através da oração podemos pedir a Deus um mover do seu Espírito Santo em nós e ao experimentarmos isso, nossa resposta chegará a Deus através da própria oração, como o próprio salmista clama: “vivifica-nos, e invocaremos o teu nome.” Sl.80.18

Para alinhar oração e avivamento não podemos esquecer que, antes de tudo, a oração é um mandamento divino. Deus nos mandou orar, é uma ordem e não uma opção. Se quisermos aprovação em qualquer empreitada da vida cristã precisamos de oração! Existem situações da nossa vida só acontecerão se orarmos, enquanto que outras que só não acontecerão se, também, orarmos. Jesus começa sua fala dizendo: “quando vocês orarem …” e não “se vocês orarem …”.

Uma segunda consideração que podemos fazer é que a oração é um hábito a ser cultivado. Quando Jesus começa a ensinar sobre a oração, ele não começa pelo o que devemos dizer, mas como não devemos nos comportar citando os hipócritas que tinham o comportamento do exibicionismo: orar em público e em locais bem visíveis. Jesus ordena uma outra forma: procurar o lugar secreto, o quarto fechado afim de sermos vistos pelo Pai.

Por fim, a oração tem um propósito que pode ser dividido em três fases: a santificação do nome de Deus; a expansão do Seu Reino e o cumprimento da Sua Vontade. Sendo assim, para que possamos experimentar um avivamento, precisamos praticar, sem cessar, a oração. Charles Spurgeon disse: “Para Deus estar perto da Igreja, ela precisa orar. Se Deus não estiver lá, um dos primeiros sinais de sua ausência será a preguiça de orar. ”

Por um avivamento genuíno,

Pr. Filipe Frossard