Reconciliados: Ser ou não ser!? (Ef. 4.17-32)


to-be-or-not-to-beA famosa frase “ser ou não ser, eis a questão”, no original “to be or not to be, that’s the question, vem da peça “A tragédia de Hamlet, príncipe da Dinamarca” de William Shakespeare. Encontra-se no Ato III, Cena I e é frequentemente usada como um fundo filosófico profundo.

Sem dúvida alguma é uma das mais famosas frases da literatura mundial, porém, para nós, a frase não é uma questão, mas sim uma necessidade de tomada de decisão. Não é possível ficar em cima do muro continuamente, em algum momento haverá a necessidade de se tomar posição frente às várias situações da vida.

A palavra original aqui significa vacuidade, futilidade, inutilidade. Aqueles que são descritos como gentios, que não são o povo de Deus, têm um comportamento de viver no vácuo, não sabem quem são, de onde vieram e para onde vão. Não sabem o propósito de suas vidas. É um viver sem propósito, fútil.

Outra característica daquele que não é um cristão verdadeiro é o entendimento obscuro, a ignorância espiritual e a dureza de coração. O não cristão não consegue enxergar a loucura da adoração aos ídolos, por exemplo. Ele não consegue perceber que cultuar um pedaço de madeira, de pedra ou barro feito pela mão de um artífice é obscurecimento e ignorância espiritual.

A vida de Deus corresponde à vida de Jesus, uma contracultura radical, de mudança de valores, onde o que tem maior importância é o “reino de Deus e a sua justiça”. Ser cristão não tem tanto a ver com guardar um conjunto de regras religiosas, mas sim ser transformado pelo Espírito Santo em uma nova criatura. Seus pensamentos, entendimento, sentimentos, mente e coração, passam a ser governados pela presença viva de Jesus em sua vida.

Reconciliado,

Pr. Filipe Frossard