Em busca da excelência: Como vestimos nossos filhos*


Estes são os dias que vivemos e não podemos fugir da realidade. Hoje, são poucos os lares em que se pode dizer “Eu e minha casa servimos ao Senhor.” Js.24.15. Diante de dias tão difíceis, vamos nos apavorar? Não! O que devemos fazer então? Devemos tecer túnicas para nossos filhos e protegê-los da pestilência que tenta atingir os que estão descobertos; o nome desta peste é pecado.

serviremos-ao-senhorNão há pessoa que entenda melhor do assunto e possa nos ensinar que Ana, pois era exímia em tecer túnicas. Ana era muito ocupada, mas, mesmo assim, levava, todos os anos, uma túnica nova para Samuel (1Sm.2.19). Como Samuel esta longe, ela imaginava o quanto ele devia crescer durante o ano, para que a túnica não ficasse pequena ou grande demais.

Com o fuso (oração) e a roca (jejum) podemos fazer túnicas tão bem feitas para que os nossos filhos fiquem inteiramente protegidos e o inimigo não mais ache lugar descoberto para atingi-los.

Quantos pais vestem seus filhos uma vez (oram, entregando-os a Deus e depois esquecem) e não se lembram de que a cada dia tem de tecer um pouco, porque no ano seguinte a criança já terá crescido e a roupa já não servirá mais e, ficando apertada, se rasgará e a criança ficará  exposta.

Quando Samuel conheceu a Deus, ficou na estatura de um varão perfeito. Ana não precisou mais preocupar-se com seu crescimento. O dia em que nossos filhos conhecerem realmente quem é Jesus, atingirão a estatura completa de Cristo, aí sim nos alegraremos com eles e por eles, até lá ore e jejue por seu filho.

Adaptado de Atalaias da Fé, Ester Coninck